Saltar para a informação do produto
1 de 3

Galería Lucía Dueñas

poder rosa

Preço normal $11,415.00 USD
Preço normal Preço de saldo $11,415.00 USD
Em promoção Esgotado

Instalação composta por um vídeo e 33 pinturas emolduradas (32 obras de 30 x 30 cm cada e uma de 60 x 60 cm).
Impressão jato de tinta em papel algodão.
Vídeo: 3:46 min.

poder rosa

É uma instalação composta por uma peça bidimensional e um vídeo que documenta uma performance coletiva do artista, realizada na Feira ARCO em fevereiro de 2018, no estande da Fundação Provincial de Artes Plásticas Rafael Botí, em Córdoba, sob o título de Eu sou uma mulher. Nesta ação, uma série de mulheres, de diversas áreas, idades e contextos, principalmente artísticos, selecionaram cada uma uma frase com a qual desejavam se definir e se identificar, como uma autoafirmação empoderada plural e diversa, que foi impressa pela artista em textos brancos sobre fundos cor-de-rosa, e com os quais cada mulher deambulava, em fila uma a uma, carregando-os, e percorrendo todo um Pavilhão da Feira, numa performance fortemente participativa de reivindicações feministas, que inundava o espaço da feira.

Para compor esta peça que pôde ser vista pela primeira vez na ARCO 2018, a artista solicitou, a priori, que outras mulheres escrevessem ou dissessem frases com as quais quisessem se identificar e que começassem com Eu Sou, daí vêm algumas dessas como: sou artista, sou sua irmã, sou trans, sou lésbica, sou feminista, sou fogo, sou escritora, sou sua irmã, entre outras, que tornam visíveis diversos modos de ser mulheres na sociedade e viver e sentir, quebrando os clichês da feminilidade e os comportamentos unidirecionais clichês que a integram. Compondo com todas elas uma peça de parede bidimensional, envolvendo uma central com as cores ao contrário, com fundo branco e texto rosa, com a significativa afirmação sou mulher. Uma peça contundente e cheia de força e sororidade, em que a artista afirma que todas essas mulheres diferentes, tão diferentes, são todas mulheres, retomando, e fazendo aquela tradução feminista, a frase do movimento Black Power eu sou um homem.

Para formalizar a obra, a artista utiliza a cor rosa como fundo ou como texto, cor tradicionalmente "tão feminina" e que aqui é recuperada como símbolo da luta, do empoderamento da mulher, desconstruindo o significado estereotipado atribuído como feminino ao que ao longo da história. E com essa cor de significado alterado, elabora frases repulsivas que advogam mudanças e estimulam a ação coletiva cheia de força e energia. Essa utilização dos textos realizada pela artista está absolutamente enraizada nas abordagens que as feministas fizeram, a partir dos anos 1970 e 1980, fundamentalmente, questionando-se sobre o sentido de ser humano, o silêncio da e sobre a mulher. e a necessidade de subverter a linguagem como portadora de símbolos androcêntricos. Desde então, foram desenvolvidos alguns discursos teóricos que têm vindo a contribuir com estratégias de desconstrução da linguagem patriarcal existente e dominante na nossa sociedade, bem como a construção do pensamento em que se baseia, contribuindo com novas abordagens em que essas são reapropriadas como um sujeito. , recuperando sua palavra e afastando-se do silêncio.

Por isso, o feminismo indagou sobre as imagens, as palavras, seus códigos e significados, desmontando os discursos que funcionavam como o "humano" ao excluir as mulheres, oferecendo uma parte pelo todo. Nesse sentido, falará em 1986 a artista e escritora alemã Gisela Breintling.

margarida aizpuru

IMAGEM: Pink Power / Sala ICAS, Sevilha / 2019