Saltar para a informação do produto
1 de 7

Galería Lucía Dueñas

Sextas-feiras para o futuro

Preço normal $5,967.00 USD
Preço normal Preço de saldo $5,967.00 USD
Em promoção Esgotado

Instalação composta por duas imagens fotográficas emolduradas de 80 x 60 cm. cada, impressão a jacto de tinta sobre papel de algodão e doze caixas de cereais intercaladas.

O futuro é deles

A máscara é um elemento arcaico na história da encenação do ser humano. O uso da máscara parece ser o processo teatral básico por excelência, pois quem a usa não se identifica mais com quem realmente é, mas com aquele que deseja representar. Nesse mesmo sentido, o leitor da imprensa não identifica o guerrilheiro de mais alto escalão como Rafael Guillén, mas como o Subcomandante Marcos, mais um dos guerrilheiros do EZLN. A máscara, o figurino e a aparência externa do ator estão envolvidos na criação do personagem criado, separando-o completamente dos seres humanos comuns.

Segundo Erika Fischer-Licite em seu livro “Semiótica do Teatro” (1999, p. 155), a máscara fixa priva seu portador dessa hierarquia real; Ele não o deixa aparecer como tal, como aparece para os outros devido à sua posição na sociedade, mas sim como alguém que não pertence à sociedade da mesma forma. Esta perda de identidade implica um mistério sugestivo que se torna um dos valores noticiosos mais procurados. Essa perda da individualidade em prol do coletivo ajuda a criar uma meta-identidade em sua condição de vingadores anônimos, à maneira do Batman ou dos encapuzados do Popol Vuh.

Nesta obra, o uso da máscara busca a singularidade no sentido político de luta, pois nelas todos estamos representados. Os egos desaparecem e ajudam a unificar e gerar uma certa força coletiva que gera um sentimento de invencibilidade. Estes não são apenas um disfarce, como pode acontecer em muitas histórias de super-heróis, aqui se tornam a ideia de lutar contra os desafios do presente com a intenção de buscar um futuro melhor.

Cada sentimento tem a sua representação e o seu tipo de máscara, sendo que nesta peça a máscara é feita com caixas de cereais matinais invertidas e furadas, ao mais puro estilo balaclava ou máscara de luta livre mexicana com a sua multiplicidade e variabilidade cromática e estética. Essas caixas são obtidas de um mundo dominado pelo consumo, tornando-se um símbolo para a reflexão sobre o sistema capitalista a partir do sistema ao qual pertencemos. A luta pela igualdade, como a iniciada pelas mulheres chilenas na faixa dos 20 anos; contra as mudanças climáticas, como a incansável Greta Thunberg; ou em busca de uma sociedade mais justa e igualitária são alguns dos aspectos que os jovens têm pela frente. O futuro pertence a esses jovens, mas eles podem não ter futuro se os seres humanos continuarem a maltratar e abusar da natureza ou continuarem a mercantilizar as pessoas, colocando a economia antes da própria humanidade.

As caixas de cereais são acompanhadas por duas imagens em que se veem duas raparigas com o rosto coberto por duas das máscaras criadas com as caixas de cereais, e que são filhas dos artistas da obra. Com uma pose séria e desafiadora, aparentemente zangada, eles nos encaram questionando o que fazemos para melhorar nosso presente e futuro. Num mundo de adultos, parece que não estão a ser ouvidos e só lhes resta colocar a máscara e lutar pelo seu próprio futuro, aquele que lhes pertence mas que podem não ver, ou que o que vêem é não o que era esperado. O futuro está em risco e se não o salvarmos, não os salvaremos.

Autores: Verónica Ruth Frías e Cyro García